Tudo o que sempre quiseste saber sobre a transformação da Ásia

  • Quais as tendências-chave na rápida transformação económica da Ásia?
  • O caminho para a prosperidade do continente passa necessariamente por um processo de industrialização?
  • Qual o papel a ser desempenhado pelo setores primário e terciário na diversificação económica subjacente?
  • Os padrões de mudança estrutural observados no passado na Ásia, voltaram a repetir-se no futuro?
  • O que podem fazer as economias em desenvolvimento asiáticas para promover crescimento e diversificação?
  • Quão importante é uma educação de qualidade na promoção da diversificação económica?

Transformacao

O Banco Asiático de Desenvolvimento publicou a 21 de agosto um estudo muito interessante que responde a todas estas perguntas, denominado Key Indicators for Asia and the Pacific 2013 special chapter: Asia’s Economic Transformation: Where to, How and How Fast?, e liderado pelo economista do Banco, Jesus Felipe.

O autor estará precisamente online amanhã 5 de setembro para responder a perguntas do público, entre as 14h e 15h, hora de Manila (7h e 8h em Lisboa). As perguntas podem também ser enviadas ao Jesus de forma antecipada via e-mail, via Facebook ou via Twitter.

Conversa com Jesus Felipe

Para os mais atarefados, divulgamos aqui a apresentação PowerPoint que o Jesus realizou ao Conselho de Administração do Banco antes da publicação da obra.

Em síntese, o autor entende que o processo de transformação na região será lento.

Contrariamente ao que possa parecer, conclui-se que a Ásia continua a ser um continente fortemente dependente de atividades agrícolas, mesmo em países como a Tailândia e a Malásia, com indústrias muito desenvolvidas. Mais de 700 milhões de pessoas trabalham na agricultura hoje em dia, um sector que é responsável por cerca de 43% do emprego total, apesar de ter decrescido significativamente nos últimos trinta anos (67% em 1975). A percentagem de trabalhadores agrícolas na Ásia é semelhante ao observado nos países desenvolvidos há dois séculos. No Reino Unido, a título exemplificativo, esta percentagem era de 60% em 1700, tendo caído para 40% em 1820, 16% em 1890 e 2,5% em 1980. No Japão, de 73% em 1870, 47% em 1940 e 10% em 1980.

Agricultura na Asia

Na opinião do autor, é impossível que economias com um peso elevado do sector agrícola consigam dar o salto e superar a armadilha do país de rendimento médio.

Esta entrada foi publicada em Japão, Macroeconomia, Malásia, Reino Unido, Tailândia, Visão macro com as etiquetas , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s