A esposa do Presidente Xi Jinping e primeira-dama: a melhor relações públicas da nova China

A primeira impressão foi impactante. Foi ela que fez muitos dos cabeçalhos das peças jornalísticas sobre a Cimeira de Chefes de Estado ou de Governo dos BRICS, em Durban, na África do Sul, na semana passada. Da The Economist ao Financial Times ou New York Times.

Muitos foram os novos sobrenomes dados pela comunicação social a Peng Liyuan, a esposa do novo Presidente Chinês, nesta sua primeira aparição internacional. Para alguns a nova Michelle Obama. Para outros, a nova Carla Bruni-Sarkozy. Na Espanha, a porta de entrada da revista Hola na China.

Peng Liyuan

Seja qual for o sobrenome que receba em Portugal, de certeza que este passará a marcar presença regular nos programas de socialités em Portugal.

Já no primeiro contacto com África, numa primeira aterragem na Tanzânia, todos as câmaras e flashes registaram com ávida atenção como o novo Presidente e a primeira dama desciam de forma carinhosa as escadas do avião presidencial.

Peng Liyuan e Xi Jinping descem a escadaria do escadaria do avião presidencial em Dar es Salaam

E alguém teve a brilhante ideia de falsificar essa fotografia e colocar o Presidente chinês a carregar a mala da esposa!

Xi Jinping a carregar a mala de Peng Liyuan

É uma visão quotidiana relativamente comum na China e interpretada como um sinal de cavalheirismo, mas inusual na sociedade ocidental, que rapidamente foi censurada e retirada dos sites chineses.

Peng Liyuan, de 50 anos, era já uma celebridade na China. Até 2007, Xi Jinping era apenas “o marido de Peng Liyuan”. Famosa na televisão chinesa desde a década de 80 no papel de cantora folclórica que fazia questão de atuar com uniforme militar.

Primeira dama chinesa a cantar

Hoje em dia, após a primeira aparição internacional da primeira-dama, as imitações dos seus casacos, cachecóis, malas e sapatos (apenas de marcas chinesas, outro facto que lhe tem valido muitos elógios aquém fronteiras) têm-se multiplicado exponencialmente por todo o país.

Muito embora a censura continue a tentar limitar os muitos comentários ao guarda-roupa da primeira dama no Sina Weibo, o Facebook chinês, Peng Liyuan começa a ser vista nos corredores do poder em Beijing como o principal chamariz para aproximar a China do público internacional e, no caminho, mudar muitos dos pré-conceitos existentes sobre o seu país.

Os primeiros sinais desta estratégia orquestrada são claros. Nomeada “embaixadora de boa vontade” na luta contra o SIDA e a tuberculose pela Organização Mundial da Saúde em 2011, Peng Liyuan aproveitou o encontro bilateral em Moscovo há duas semanas entre Vladimir Putin e Xi Jinping para visitar orfanatos na capital russa. Claro, rodeada de câmaras.

Peng Liyuan em Moscovo

Muito diferente dos perfis modestos e cinzentos das esposas dos antecessores de Xi Jinping, com a única excepção de Soong May-ling, a esposa do arquirival de Mao, Chiang Kai-shek. Educada nos EUA, fluente em inglês, descrita pela revista Life como a mulher mais poderosa do mundo e o primeiro cidadão chinês (e a segunda mulher!) a proferir um discurso às duas câmaras do Congresso norte-americano, em 1941. Tão charmosa que Franklin Roosevelt terá solicitado, quando a recebeu na Sala Oval da Casa Branca, que colocassem uma mesinha entre eles, não fosse o diabo tecé-las.

Soong May-ling

Algo está a mudar em Beijing. Como um utilizador da rede Weibo escrevia há uns dias segundo a The Economist: “Finally, we have a real first lady.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em BRICS, China, Espanha, EUA, Portugal, Rússia, Tanzânia com as etiquetas , , . ligação permanente.

2 respostas a A esposa do Presidente Xi Jinping e primeira-dama: a melhor relações públicas da nova China

  1. Rui diz:

    Outro dia estava a pensar para mim, q a mulher de um presidente, ou de um primeiro ministro, não deveria ter a importância nem a notoriedade q p. ex tem nos EUA, pois na realidade não foi ela q foi eleita. No caso dos EUA, as mulheres dos candidatos talvez influenciem a decisão de voto de alguns eleitores, o q até deveria ser errado. Mas no caso da China, nem um nem outro foram eleitos (pelos menos por sufrágio universal).
    No artigo, acho q faltou referir q a senhora é major-general do exército chinês, se bem q seja civil. Não sei mt bem como um civil tem um posto no exército, mas devem ser coisas próprias da China ou de países comunistas.
    A foto em q o Xi Jinping está a segura na mala dela é falsa: http://www.facebook.com/photo.php?fbid=292933160838006
    Mas o q realmente é importante é poder de soft power dela. No ocidente, ou fora da China, sabemos mt pouco sobre a China: practicamente não vemos filmes chineses, não há nenhuma Madona ou Lady Gaga chinesa, ninguém será capaz de dizer o nome, ou reconhecer a cara, de um jogador de futebol chinês. Esta senhora poderá fazer mais pela China q centenas de diplomatas e rios de yuan de investimento da China no estrangeiro.

  2. Enrique Galán diz:

    Mais uma vez, muito obrigado pelo interesse, Rui, e pela correção. Fico sobretudo com a tua última frase.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s