Últimos dias para concorrer aos estágios do Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas

O Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas, a instituição financeira internacional de mais recente criação, e com sede em Pequim, mantém em aberto até dia 15 de março o prazo de candidaturas para a nova vaga de estágios na instituição.

AIIB internships

O salário mensal é de USD 1.800 líquidos. Mais informações aqui.

AIIB

 

Anúncios
Publicado em Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura, China | Publicar um comentário

Conferência de alto nível em Lisboa sobre a Nova Rota da Seda a 23 de março. A não perder!

Os maiores financiadores da Nova Rota da Seda, multilaterais e bilaterais, estarão presentes a 23 de março no Auditório da Caixa Geral de Depósitos do  ISEG-School of Economics and Management da Universidade de Lisboa para discutir as oportunidades e os desafios daquela iniciativa com liderança chinesa.

Banner-website Conferência Financing Belt & Road 23.03.2018

Os assistentes à conferência poderão ouvir e colocar questões aos representantes do Banco Asiático de Desenvolvimento, Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas, do Banco Mundial, do Banco Europeu de Investimento, do Bank of China, do China Development Bank, e do China Portuguese Development Fund, bem como aos CEOs de empresas nacionais com interesse na iniciativa como a Mota-Engil ou COBA.

O programa completo da conferência pode ser consultado abaixo.

Cartaz Conferência Financing Belt & Road 23.03.2018.png

A iniciativa tem o apoio do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal, contando com a abertura do Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e encerramento do Secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, que irá encerrar a conferência.

As inscrições podem ser realizadas aqui:

Mais informações aqui.

Publicado em Banco Asiatico de Desenvolvimento, Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura, China, Portugal | Publicar um comentário

As (várias) visões de conectividade asiática (II): a Índia e o seu Plano Mausam como resposta ao One Belt, One Road da China

A Índia falhou estrategicamente na compreensão e avaliação do plano externo de investimento estratégico da China, o One Belt, One Road (OBOR), que se estima em mais de USD 900 mil milhões. Numa primeira instância, a Índia considerou o OBOR um mero instrumento para a China alargar a sua influência aos países imediatamente vizinhos.

Vista agora a dimensão e potencial impacto da nova iniciativa, que anseia desempenhar um papel muito significativo também no denominado Sul asiático (compreendido pelo Bangladesh, Maldivas, Nepal, Paquistão, Sri Lanka, e, claro, pela própria Índia), a Índia pretende limitar as perdas com o reforço de um anel de proteção nos seus próprios países imediatamente vizinhos e com um canal de comunicação privilegiado para o Médio Oriente. Veja-se o papel central da Índia no desenvolvimento do Chabahar Port no Irão, como forma de reforçar a ligação à Europa e ao Médio Oriente sem passar pelo Paquistão, com quem o relacionamento é… difícil. O plano é conhecido como Plano Mausam.

Índia na Ásia

Mausam (मौसम) quer dizer tempo ou estação do ano em várias línguas do Sul asiático e é particularmente utilizado para se referir às monções sazonais que os marinheiros usavam para navegar e comerciar através do Oceano Índico. Dada a sazonalidade das monções, os navegadores utilizavam os ventos a ela associados para alcançar o Sudeste asiático a partir do Médio Oriente e de África, fazendo paragem na Índia à espera do segundo monção para retomar viagem. A este respeito, é atribuído ao Mausam o papel de introdução do Islão na Indonésia. É de notar que o tempo de espera na Índia favorecia as trocas comerciais, tecnológicas, e culturais.

Mausam

Inicialmente divulgado em 2014 após a tomada de posse do Primeiro-Ministro Narendra Modi, foi colocado na prateleira face a outras prioridades mais prementes do Governo indiano. No entanto, o projeto parece ter retomado força num encontro ministerial ocorrido em setembro no Sri Lanka, onde estiveram representados 35 países da região e do Médio Oriente.

Não é por acaso que durante uma visita ao Bangladesh do Ministro indiano das Finanças, Arun Jaitley, na semana passada, este contratualizou com aquele país uma linha de crédito de USD 4,5 mil milhões com maturidade de 20 anos e uma taxa de juro de 1% para construção de novas ferrovias, portos e estradas. No Sri Lanka, companhias da Índia, do Japão e da Singapura trabalham conjuntamente para construir novas facilidades no porto de Trincomalee no norte da ilha, como alternativa ao porto de Hambantoda, um porto de águas profundas no sul da ilha construído pela China.

Sri Lanka

Esta visão é complementada a Leste pelo denominada  “Act East” do Primeiro-Ministro indiano, que pretende reforçar os laços com os países da ASEAN, em particular através dos portos da Tailândia e do Mianmar.

Apesar destes planos, a visão indiana da conectividade continua a ser bastante focada na sua vertente doméstica, interna. Ao nível externo, a Índia considera o South Asian Association for Regional Cooperation (SAARC) como um projeto sem tendência para avançar, sobretudo pelo “difícil” relacionamento entre a Índia e o Paquistão, e tem concentrado a sua ação em constituir pequenas iniciativas pontuais setoriais com países da vizinhança.

SAARC

Este post dá seguimento ao divulgado a 2 de outubro passado sobre a visão da conectividade asiática da ASEAN.

Publicado em Afeganistão, ASEAN, Índia, Bangladesh, Butão, China, Indonésia, Irão, Japão, Maldivas, Mianmar, Nepal, Paquistão, Singapura, Sri Lanka, Tailândia | Publicar um comentário

As (várias) visões de conectividade asiática (I): a ASEAN

Temos vindo a falar neste blogue repetidamente da One Belt One Road, também conhecida como Nova Rota da Seda, iniciativa chinesa de construção de novas infra-estruturas terrestres e marítimas de conectividade da Ásia com a Europa e África. A dimensão financeira da iniciativa da China (USD 900 mil milhões) supera amplamente a preços de hoje os recursos disponibilizados pelos EUA à Europa através do Plano Marshall no pós-Segunda Guerra Mundial (USD 13 mil milhões de 1948, que se traduzem em 132 mil milhões a preços de 2016).

Plano Marshall

Mas as novas rotas que a Ásia irá concretizar no século XXI não se irão limitar apenas àquelas de iniciativa Chinesa.

Inauguramos hoje uma série de postings curtos, na forma de mapas, relativos às várias visões geoestratégicas das várias potências regionais que co-existem no continente asiático.

As várias potências da região definem planos ambiciosos de infra-estruturas (rodovias, ferrovias, pipelines, portos e aeroportos) que concorrem em impacto e em instrumentos financeiros, políticos e militares por se tornarem dominantes e influenciarem as principais rotas e trocas comerciais ao longo do século XXI.

Começamos pela visão da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

ASEAN

A visão da ASEAN prende-se com a existência de redes de conectividade física, institucional e entre indivíduos (hard and soft infrastructure) que conectem os dez países. O seu Master Plan on ASEAN Connectivity 2025 tem duas grandes componentes. Em primeiro lugar, o reforço da conectividade marítima entre Brunei, Filipinas, Indonésia, Malásia e Singapura, o denominado ASEAN Maritime Economic Corridor. Em segundo lugar, em terra, o reforço da conectividade entre o Camboja, Laos, Mianmar, Tailândia e Vietname, o denominado Greater Mekong Subregion Economic Corridor, mas também o ASEAN Rail Corridor, com foco no Singapore-Kunming Rail Link, base da ligação ferroviária à China. Estes corredores não se limitam a infraestruturas, mas incluem planos para melhorar o ambiente de negócios, a logística, a regulamentação e a inovação digital nesses corredores. O objetivo último prende-se com “a seamlessly and comprehensively connected and integrated ASEAN”.

Os nossos agradecimentos à iniciativa Reconnecting Asia pela análise.

Publicado em ASEAN, Brunei, Camboja, China, EUA, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Mianmar, Singapura, Tailândia, Vietname | 1 Comentário

O Banco Asiático de Desenvolvimento revê em alta o crescimento da região em 2017 e 2018

O Banco Asiático de Desenvolvimento reviu em alta na passada terça-feira as suas previsões de crescimento para a região da Ásia e do Pacífico, com a publicação da edição de 2017 da sua publicação bandeira, o Asian Development Outlook (ADO).

O crescimento previsto do Produto Interno Bruto (PIB) da região passa assim de 5,7% em 2017 e 2018 para 5,9% e 5,8%, respetivamente, tendo por base uma retoma do comércio, bem como da economia chinesa.

De facto, o crescimento da economia chinesa, contrariamente à tendência de abrandamento da que se falava há alguns meses, supera as expetativas e é revisto em alta em duas décimas em ambos anos: de 6,5% para 6,7% em 2017 e de 6,2% para 6,4% em 2018. Esta revisão tem por base a referida retoma do comércio internacional, bem como o impacto dos estímulos orçamentais chineses.

Asian Development Outlook 2017

Foi igualmente revista em alta em 0,1 pontos percentuais a taxa de crescimento das Filipinas, de 6,4% para 6,5%, tornando aquela economia a quarta com maior crescimento no Sudeste asiático (apenas superada pelo Mianmar, Camboja e Laos).

O documento revê ainda em alta o crescimento da área do euro (de 1,6% para 2,0% em 2017 e de 1,6% para 1,8% em 2018) e do Japão (de 1,0% para 1,5% em 2017 e de 0,9% para 1,1% em 2018). O crescimento dos Estados Unidos é no entanto revisto em baixa no ano corrente, de 2,4% para 2,2%.

O crescimento da Índia é no entanto revisto em baixa em ambos os anos: quatro décimas em 2017, de 7,4% para 7,0%, bem como em 2018, de 7,6% para 7,4%. Apesar desta revisão, a economia indiana é, de entre as grandes economias mundiais, aquela que mais cresce na região.

A habitual seção monográfica que acompanha as previsões macroeconómicas do ADO é dedicada este ano ao contributo das Parcerias Público-Privadas para o desenvolvimento sustentável e para satisfazer as necessidades de financiamento de infraestruturas na região.

Necessidades de financiamento na Ásia

Pode consultar aqui a apresentação do Economista-Chefe do Banco, Yasuyuki Sawada.

Publicado em Azerbaijão, Índia, Banco Asiatico de Desenvolvimento, Bangladesh, Camboja, Cazaquistão, China, Coreia do Sul, EUA, Fiji, Filipinas, Hong Kong, Indonésia, Japão, Laos, Malásia, Mianmar, Papua Nova Guiné, Paquistão, Singapura, Tailândia, Taiwan, Vietname | Publicar um comentário

Nova fornada de oportunidades de recrutamento no Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas

O Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas (AIIB), com apenas dois anos de atividade e em forte crescimento, divulga 19 novas vagas nos seus quadros a serem preenchidas nos próximos meses.

As candidaturas podem ser remetidas ao Banco até 11 de outubro próximo.

Oportunidades de recrutamento

O AIIB é um novo banco multilateral de desenvolvimento, com USD 100 mil milhões em capital autorizado, com sede em Pequim, e do qual muito temos falado em “O Retorno da Ásia”.

Com pouco mais de 100 especialistas como staff do Banco (valor este que compara com os 3 mil do outro banco multilateral de desenvolvimento a operar na região, o Banco Asiático de Desenvolvimento, com sede em Manila), a instituição lança agora esta nova fornada de oportunidades de recrutamento.

AIIB

Publicado em Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura, China | Publicar um comentário

Mais de mil especialistas discutem o Japão em Lisboa

Hoje têm início na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa os trabalhos formais da 15.ª Conferência Internacional da EAJS.

É a primeira vez que se realiza em Portugal a Conferência Internacional promovida pela European Association for Japanese Studies (EAJS), uma associação fundada em 1973, que reúne investigadores que têm o Japão como objeto de estudo, e promove os estudos japoneses em todos os países da Europa, nos Estados Unidos da América e no próprio Japão.

A conferência conta com 1.124 participantes, 43% dos quais vindos do Japão. Estão também representados vários países da Europa, da América e da Ásia.

Estudos japoneses

O evento é organizado pelo CHAM – Centro de Humanidades – centro de investigação da Faculdade – e o programa científico se desenvolve em 12 áreas do conhecimento das Ciências Sociais e Humanas.

Tendo sido os Portugueses os primeiros europeus a chegar ao Japão no século XVI, foi preocupação da organização local valorizar o legado histórico desse relacionamento. Neste sentido, organizaram-se visitas a Coimbra, Évora e Vila Viçosa, palcos determinantes na formação dos missionários que largavam para a missão nipónica e no encontro diplomático e cultural entre Portugal e Japão (programa). Com a mesma intenção foram organizadas visitas guiadas aos Museus em Lisboa com coleções relacionadas com o Japão e a exposições temporárias de artistas japoneses contemporâneos (programa).

Geishas

Nos dias prévios ao evento, terão ainda lugar workshops da iniciativa de universidades e centros de investigação japoneses (programa), e durante todo o período da Conferência editoras especializadas em estudos japoneses fazem-se representar através de uma feira do livro. Estas iniciativas são de entrada livre.

A participação no evento está sujeita a inscrição. O programa completo é o seguinte: Programa completo (pdf)

FCSH

Publicado em EUA, Japão, Portugal | Publicar um comentário